Calina

Artigos

Dois meses para a Black Friday: sua marca está preparada?

aprox. 19 min /

Black Friday é a 2ª melhor data para o varejo brasileiro: só perde para o Natal! Criada nos Estados Unidos, a data foi adotada no Brasil em meio a algumas polêmicas de fraude, mas logo o varejo amadureceu suas campanhas, consolidando a Black Friday brasileira. 

Para acabar com qualquer dúvida de que a data realmente funciona e faz parte do calendário de compras do brasileiro, basta olhar para os números de vendas, que crescem ano a ano.

Segundo dados da Ebit Nielsen, o varejo online brasileiro faturou R$ 3,2 bilhões na Black friday 2019, 23,6% a mais que o mesmo período em 2018. Durante a quinta e a sexta-feira (28 e 29 de novembro de 2019) foram registrados 5,33 milhões de pedidos, o que representa uma expansão de 25% na comparação com 2018.

A data está no centro das atenções dos varejistas por ser uma época em que os consumidores já estão pré-dispostos a comprar. Isso acontece por causa da campanha de descontos da Black Friday, mas também por ser fim de ano. No Brasil é muito comum as vendas aumentarem nesse período, quando os consumidores estão com mais dinheiro e mais inclinados a realizarem seus desejos de consumo.

Este ano, a Black Friday será no dia 27 de novembro e a expectativa do varejo é positiva, pois a quarentena trouxe o foco para o e-commerce. Sem poder sair de casa, as pessoas se habituaram a comprar pela internet, o que deve refletir positivamente nas compras da Black Friday de 2020.

Por outro lado, um número maior de marcas foi para a internet vender e, por causa do contexto econômico do país, elas farão de tudo para atrair consumidores e compensar as perdas financeiras deste ano atípico.

É justamente por isso que sua marca precisa estar pronta para se diferenciar na internet e extrair o máximo da Black Friday este ano! Você está preparado? 

Por que falar de Black Friday em setembro?

Porque diferente de outras datas que podem ser exploradas pelo comércio durante um período mais longo, como o Dia das Mães ou o Natal, a Black Friday só acontece em um dia. Não dá para testar estratégias, nem deixar detalhes para resolver de última hora: a marca precisa estar pronta para vender o máximo que puder na sexta-feira.

Para isso, tudo tem que estar preparado antes. É importante pensar numa estratégia de divulgação, em uma vitrine dos produtos em promoção, assim como verificar o funcionamento adequado dos canais de venda e de atendimento. Isso tudo não se faz do dia para a noite e um prazo de dois meses de antecedência é o ideal para uma marca que quer aproveitar cada minuto da Black Friday.

Além disso, trabalhar com antecedência é interessante para criar expectativa nos consumidores. A marca pode divulgar conteúdo sobre o assunto algumas semanas antes da data, coletar dados de quem gostaria de receber as ofertas em primeira mão e incentivar os clientes a anotarem a data em seus calendários de compras.

Como se preparar?

Há uma lista de coisas que uma empresa precisa fazer para se preparar para um grande volume de vendas em um mesmo dia. Entre elas, certamente há muitas tarefas ligadas ao estoque, treinamento de funcionários, atendimento ao público e logística. Mas, neste texto vamos nos concentrar nos preparativos ligados à divulgação da marca e de seus produtos no ambiente digital. Confira 6 estratégias para trabalhar com antecedência:

1. Conteúdo focado em conversão

Para atrair o cliente na internet não basta encher sua tela de promoções com chamadas como “compre agora”. Conquistá-lo com um conteúdo de qualidade antes de oferecer seu produto pode ser uma boa estratégia. 

Mas, para levar esse conteúdo ao público certo e gerar conversões é preciso seguir algumas regras básicas de marketing digital. Por exemplo, a marca deve usar palavras-chaves interessantes para o seu produto e inseri-las na estrutura do site e nas campanhas. 

Outra dica é fazer parcerias com outros sites para que eles recomendem a página da sua empresa, por meio de um link. Isso fortalece o SEO e ajuda no ranqueamento do site no Google. Confira alguns formatos de conteúdo que podem ser explorados:

  • Post em blog;
  • E-mail marketing;
  • Conteúdo em redes sociais;
  • Mensagens via Whatsapp.

2. Trabalhar a data antes, durante e depois

A Black Friday será no dia 27 de novembro em 2020. Mas, isso não quer dizer que a marca precisa trabalhar a divulgação e todos os descontos apenas na sexta-feira. A campanha pode começar algumas semanas antes com anúncios dos produtos que entrarão em promoção e até com coleta de e-mails para aviso dos clientes em primeira mão.

Também é possível trabalhar o pós-data. Pode-se manter algumas ofertas ou, ainda, condições de pagamento e benefícios, como frete grátis. No Brasil, inclusive, já está consolidada a Cyber Monday, que acontece na primeira segunda-feira depois da Black Friday. Na prática, é uma extensão da promoção para marcas de e-commerce.

3. Construa uma vitrine

É importante selecionar com antecedência os produtos que farão parte da data e quais serão os percentuais de desconto. Feito isso, a marca deve montar uma vitrine específica desses produtos para que fiquem à vista do consumidor. 

Lembre-se: o cliente só tem um dia para comprar e a concorrência é grande, então não o obrigue a procurar pelos produtos em promoção! Uma dica é construir um hotsite ou reunir os produtos em uma sessão bem visível na página inicial do site. Os anúncios referentes à Black Friday também devem direcionar o usuário direto para essa vitrine.

Se você tem dúvidas sobre quais produtos colocar em promoção, confira algumas dicas:

  • Calcule a margem de lucro e escolha aqueles produtos que tem um valor melhor para trabalhar o desconto;
  • Aproveite a data para liberar aqueles produtos que estão parados no estoque ou que vendem menos no dia a dia;
  • Identifique aqueles itens que servem como isca: eles normalmente são mais baratos, mas acabam puxando outras vendas.

4. Destaque o diferencial

Se você tem um “peixe grande” para vender, dê o maior destaque a ele. Em outras palavras: dê mais mais visibilidade aos produtos com maior desconto ou que têm maior apelo por outros motivos. 

Por exemplo, produtos voltados para os cuidados com a casa, móveis para escritório, aparelhos de ginásticas, entre outros, são itens que ganharam muita relevância nesse período de quarentena, pois as pessoas ficaram mais em casa. Fique atento a isso!

Outra dica é anunciar seus demais diferenciais, como frete grátis, condições de pagamento especiais e cashback.

5. Transforme seu site em um grande canal de informações 

Na Black Friday, o volume de acessos cresce exponencialmente, assim como as dúvidas e pedidos de esclarecimentos sobre detalhes de um produto ou forma de pagamento, por exemplo. É claro que isso pode ser resolvido com uma boa equipe de atendimento, mas também ajudará muito se você tiver um site com muitas informações. 

Não meça esforços para deixar os anúncios bem claros e com descrições detalhadas. Use e abuse das imagens com detalhes e dos vídeos explicativos. Oriente os vendedores a publicarem comentários com feedback de clientes que efetuaram compras em seu e-commerce. Isso pode deixar os consumidores mais tranquilos na hora da comprar e, consequentemente, vai aumentar a taxa de conversão do site.

6. Revise a estrutura do seu e-commerce

De nada adiantará você investir em campanhas bonitas e estratégias de marketing, se o seu e-commerce não está preparado para receber adequadamente um grande volume de clientes. Certifique-se que seu site tem infraestrutura robusta. Para isso, procure saber em seu servidor se há limite de acessos e qual o tráfego ele suporta. É muito comum que as empresas tenham seus sites hospedados em servidores compartilhados, que nem sempre aguentam os picos de acessos.

Certifique-se, também, se todos os estágios na jornada de compra estão funcionando. Confira se o carrinho de compras funciona, assim como o cadastro, preenchimento de dados e finalização de compra. É importante investir em marketing digital para acompanhar toda essa jornada do consumidor e, caso ele desista no meio do caminho, voltar a impactá-lo com anúncios daqueles produtos que ele havia escolhido.

7. Garanta o funcionamento do seu canal no mobile

Não basta pensar apenas no funcionamento do site no desktop. É preciso se preocupar também com o mobile, que ganha uma importância cada vez maior no varejo. Segundo dados da Ebit Nielsen, 55% dos pedidos da Black Friday de 2019 foram feitos a partir de celulares. Um crescimento de 103% em relação a 2018. O faturamento via mobile no ano passado foi de R$ 1,7 bilhão, uma alta de 95% em relação a 2018. 

Vale lembrar, ainda, que o Google indexa as páginas de um site com base na versão mobile e não mais na desktop. Isso quer dizer que é uma boa prática apresentar na versão mobile o mesmo conteúdo que está na landing page na versão de desktop.

Depois da casa arrumada, que venham as estratégias finais

Após garantir toda essa estrutura com antecedência, aí sim a marca pode apostar livremente nas estratégias de última hora. São ações que terão muito efeito se realizadas alguns dias antes ou no próprio dia da campanha de Black Friday. Veja algumas delas:

Remarketing

Não é porque a oferta só dura um dia que você não pode ir atrás do cliente que não converteu de primeira. Se o consumidor clicou em um anúncio ou encheu um carrinho de compras mas não finalizou o pedido, a marca pode voltar a impactá-lo naquele mesmo dia. 

A estratégia do remarketing também é muito valiosa para chegar a clientes que fizeram buscas pelos produtos em dias anteriores à Black Friday. Se esses mesmos consumidores forem impactados com promoções dos itens que demonstraram interesse anteriormente, as chances de conversão aumentam.

Detalhes nas redes sociais

Não se esqueça que os seus canais nas redes sociais devem seguir a mesma comunicação do e-commerce. Por exemplo, se você tem um banner ou topo de página com a chamada da Black Friday, estenda a estratégia para o tema do Facebook. Outra dica é colocar o link direto das promoções na bio do seu perfil no Instagram.

Adicione “Black Friday” ao menu

Mesmo que você tenha investido em anúncios que direcionam o usuário para a landing page da data, pode ser uma boa estratégia incluir a chamada no menu do e-commerce. É mais uma forma de chamar a atenção do usuário que navega pelo seu site.

Pequenas marcas também estão no jogo!

Como essa é uma data muito concorrida e amplamente explorada por grandes marcas do varejo online, o cenário pode parecer um pouco ameaçador para os pequenos negócios. Mas, uma campanha de marketing digital bem-feita pode, sim, fazer as pequenas marcas abocanharem porções disputadas pelas grandes.

Essa é, inclusive, a missão da Calina: projetar as pequenas e médias empresas no ambiente digital. A agência faz um trabalho de educação do mercado, mostrando que um planejamento bem executado de publicidade online pode trazer resultados inimagináveis para os pequenos e médios negócios.

O segredo é apostar na presença online inteligente, impactando o cliente certo no momento oportuno. Entenda: se você consegue mapear o cliente com o perfil certo e o atinge no momento em que ele deseja comprar, então suas chances de conversão são tão altas quanto de qualquer outra grande marca.

 

Quer saber se sua marca está pronta para Black Friday?  Entre em contato!


Sobre o autor

Pedro Milanezi Pedro Milanezi

Pedro é nosso Gerente de Operações aqui na Calina. Possui graduação em Engenharia Física pela UFSCar além de um MBI (Master in Business Innovation), também pela UFSCar. Gasta parte de seu tempo livre ouvindo música, cozinhando e tirando fotos.


Artigos Relacionados
× Baixe agora nosso e-book sobre 10 dicas de marketing digital para sua empresa
Quero o e-book!