Calina

Artigos

Publicidade infantil: veja os melhores caminhos

aprox. 14 min / Marketing Comunicação Dia das crianças

recorte da mão de uma criança brincando com lego influenciada pela publicidade infantil

O Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro, é uma grande oportunidade para o comércio. 

Para você ter uma ideia, em 2018, essa data ficou atrás apenas do Natal e do Dia dos Pais em número de pedidos no e-commerce brasileiro, segundo o relatório Webshoppers. 

Por isso, a publicidade infantil entra com força nessa época.

Porém, com a proximidade da data e o planejamento das ações de marketing voltadas ao público infantil, surgem também as dúvidas: é permitido fazer propaganda para crianças no Brasil? Quais são os limites da publicidade infantil? Qual é a legislação brasileira sobre o assunto?

O país tem algumas leis e códigos que orientam esse tipo de propaganda com o objetivo de proteger as crianças de práticas abusivas do marketing

Por isso, você precisa conhecer esses limites para escolher os caminhos certos nas suas campanhas. Siga conosco para saber tudo:

Leis e códigos: limites da publicidade infantil no Brasil

criança tampando os olhos para não ver publicidade infantil Para proteger a integridade dos pequenos a publicidade infantil exige algumas normas

A publicidade infantil consiste na comunicação persuasiva de marcas que têm as crianças como público-alvo.

Esse tipo de comunicação não é proibido. Porém, tanto no Brasil quanto em vários países do mundo, existem regras muito rígidas para as empresas.

Por que isso é importante? 

Porque a criança é entendida como um público sensível e vulnerável, que ainda não tem discernimento para ser alvo do marketing.

As crianças não sabem diferenciar o que é realidade e o que é fantasia, por exemplo.

E a publicidade sabe muito bem como mexer com a imaginação, não é? Só que isso pode prejudicar o desenvolvimento infantil, além de provocar o consumo desmedido.

Por esse motivo, foram criadas algumas normas para regulamentar a publicidade infantil no Brasil. A seguir, saiba quais são as principais leis e regulamentações em vigor:

Essa legislação, porém, é polêmica.

Todos concordam que a criança demanda cuidados do marketing. Entretanto, o mercado publicitário alega que, em favor da livre iniciativa e do direito à informação, a publicidade infantil não deve ser proibida, como propõe a resolução do CONANDA.

Enquanto isso, os movimentos em defesa da criança pedem normas cada vez mais rígidas, principalmente de olho nas novas mídias, no marketing digital e nas ações com influenciadores infantis, que são o maior desafio atual.

Essa resolução, aliás, ainda tem sua constitucionalidade questionada, já que esse órgão não teria poder de legislar sobre a publicidade. 

Portanto, a publicidade direcionada ao público infantil continua sendo veiculada. Mesmo assim, todas as outras normas que citamos são válidas e devem ser consideradas nas suas campanhas.

Como fazer publicidade infantil da maneira certa

fotografia de uma criança que se fantasiou de super herói após ser motivada por uma boa publicidade infantilCampanhas de publicidade infantil devem focar em contribuir no desenvolvimento positivo das crianças. 

Diante de todas as normas que existem para a publicidade infantil, fica a dúvida: o que a sua marca pode ou não pode fazer?

Vamos ver agora algumas dicas de como usar a comunicação direcionada às crianças da maneira certa, de acordo com as regras que você conheceu acima:

O que não pode:

  • Promover qualquer tipo de discriminação ou atentar contra valores sociais positivos (amizade, honestidade, respeito ao meio ambiente etc.);
  • Provocar o medo na criança por meio de discurso intimidador, pressão psicológica ou violência;
  • Estimular hábitos não saudáveis ou não compatíveis com a condição da criança, como o uso de armas de fogo, bebidas alcoólicas e loterias;
  • Aproveitar-se da falta de experiência e da incapacidade de julgamento da criança;
  • Criar anúncios de apelo imperativo direcionado à criança (“compre agora”, “fale com seus pais”);
  • Realizar ação de merchandising ou publicidade indireta que empregue crianças ou elementos do universo infantil com a intenção de captar a atenção desse público.

O que pode:

  • Direcionar aos adultos a publicidade de produtos focados no público infantil;
  • Divulgar os benefícios concretos e comprováveis do produto (melhora a saúde, ajuda no desenvolvimento intelectual etc.)
  • Contribuir para o desenvolvimento positivo das crianças;
  • Dar atenção especial às características psicológicas específicas das crianças;
  • Admitir crianças como modelos na demonstração de produtos ou serviços (embora elas não possam vocalizar apelo direto ao consumo);
  • Indicar as restrições técnicas e éticas de produtos destinados ao consumo por crianças e adolescentes.

Fotografia de um adulto com sua criança nas costas e feliz por ver publicidade infantil que segue as regras propostasNão tenha crianças como alvo, direcione a publicidade infantil aos adultos responsáveis.

Quer um exemplo de ação bacana de publicidade para crianças? A Cartoon Network e a Dove fizeram uma parceria para promover a autoestima das crianças com a campanha “Estou bem”. 

A intenção é incentivar os pais a terem conversas com os filhos sobre as emoções e os conflitos na infância. Você pode conhecer melhor a campanha no vídeo abaixo e neste site.

 

 

Por mais polêmicas que sejam as regulamentações da publicidade infantil, há um entendimento comum de que a criança exige responsabilidade do mercado. 

Por isso, entre os públicos com que o marketing trabalha, elas são o mais delicado.

Isso não quer dizer, porém, que o mercado publicitário esteja de mãos atadas. 

Dentro dos limites impostos, é possível conciliar criatividade, sensibilidade e ética para promover marcas voltadas ao público infantil.

Agora, comente abaixo o que você pensa sobre a publicidade infantil e como a sua marca lida com esse assunto!


Sobre o autor

Grupo Raccoon Grupo Raccoon

Conteúdo exclusivo do Grupo Raccoon. O Grupo é formado pelas agências Calina, Raccoon e Rocky e tem performance em seu DNA.


Artigos Relacionados
× Baixe agora nosso e-book sobre 10 dicas de marketing digital para sua empresa
Quero o e-book!